Tenossinovite de Quervain

Você conhece a Tenossinovite de Quervain?

Tenossinovite de QuervainTenossinovite de Quervain ou Tendinite do 1º compartimento extensor é uma doença que afeta os tendões do lado do polegar no punho. Há um aumento do atrito dentro do túnel de deslizamento dos tendões da base do polegar. Pode ser causada por esforços repetitivos e alguns casos a dor é causada por um tendão anômalo dentro do túnel extensor. Pode estar associada à artrite reumatoide e lesões antigas no tendão podem provocar o atrito deste com o seu túnel de deslizamento. Ela afeta 8 vezes mais as mulheres do que homens.

 

Sintomas da Tenossinovite de Quervain

Dor na parte posterior do polegar na altura do punho que piora com torção, pegar objetos pesados, uso de martelos, ou mesmo fechar a mão. Pode ter início súbito e progressivo, e a dor pode se estender para o antebraço. Inchaço e calor local também podem ocorrer.

Se você suspeita de Tenossinovite de Quervain. Agende seu horário conosco.

Tratamento para Tenossinovite de Quervain

Diagnóstico da Tenossinovite de Quervain

O diagnóstico da Tenossinovite de Quervain é por muitas vezes clínico, com uma boa história clínica e um exame físico rigoroso. O teste típico é o teste de Filkenstein. Ultrassonografia pode dar um diagnóstico preciso e fazer diagnóstico de anomalias tendíneas.Tenossinovite de Quervain

 

Tratamento da Tenossinovite de Quervain

O tratamento não cirúrgico da Tenossinovite de Quervain envolve imobilização por um período de até 6 semanas, com órteses ou talas gessadas, com auxílio de compressas de gelo, medicamentos para melhora sintomática e fisioterapia para reabilitação. Caso não haja melhora pode-se optar pela infiltração, que acelera esse processo.

 

Na falha do tratamento não cirúrgico o tratamento cirúrgico pode ser indicado. A cirurgia consiste na inspeção e liberação do retináculo dos extensores, que é a estrutura que recobre o tendão, permitindo que este tenha mais espaço para voltar a deslizar sem a pressão e o atrito, após fisioterapia e terapia ocupacional o tratamento cirúrgico melhora completamente os sintomas em até 95% dos casos.